Conheça alguns aplicativos gratuitos para saber se o seu CPF está seguro 

Recentemente mais de 200 milhões de brasileiros tiveram seus dados expostos como CPF, sexo, data de nascimento e nome,  também foram vazados dados de CNPJ e veículos. Não se sabe ainda a origem de onde os dados foram vazados.

Publicidade

O número de dados vazados é maior que a população brasileira, isso porque foram expostos também dados de falecidos. Essas fraudes são usadas para fazer compras online e empréstimos. Nós da equipe Boas Ideias vamos contar como foram vazados e quais aplicativos você precisa baixar para saber se os seus dados foram usados. Acompanhe!

Quais dados foram vazados?

Contudo os primeiros vazamentos de dados, foram de 212 milhões de CPFs com dados pessoais. Além disso, os dados de pessoas jurídicas como CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) . Esses dados estão circulando normalmente na internet.

Publicidade

Entretanto, para piorar a situação, o segundo vazamento contém informações gerais das pessoas como benefícios do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social), bolsa família, escolaridade entre outras. Os criminosos estão vendendo esses dados para aplicar golpes.

Quem está vazando esses dados?

Atualmente, os responsáveis pelo vazamento dos dados ainda não foram encontrados. Mas, é possível que a exposição desses dados tenha partido de diversas fontes. Com as informações do vazamento, constam referência de serviço e empresa. No entanto, não é possível descobrir se realmente foram responsáveis pelos vazamentos.

Publicidade

Em uma notificação que o Procon de São Paulo emitiu ao Serasa (Serviço Nacional do Consumidor) pedindo explicação, os mesmos negam que qualquer informação vazada tenha partido da empresa, e que todos os dados são devidamente seguros e protegidos.

Está sendo investigado a respeito do vazamento de diversos dados?

No dia 3 de fevereiro de 2021, a polícia Federal iniciou uma investigação solicitando que a lei de proteção de dados da ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados) entre em vigor. Porém, esse recurso foi criado recentemente e não está funcionando por enquanto.

Ao decorrer dos anos, diversas informações vêm sendo vazadas inclusive de pessoas do alto escalão do governo. Até mesmo o Presidente da República Jair Bolsonaro e o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) também tiveram os seus dados vendidos na internet. Sendo assim, Alexandre Morais do STF determinou que os órgãos competentes investiguem os casos de vazamento, com o inquérito de ‘Fake News’ que já está em processo de andamento na suprema Corte.

Como proteger os meus dados?

Não tinha como fazer nada neste caso para proteger os seus dados. Mas, para a prevenção é sempre bom ter muita cautela quando for inserir os seus dados pessoais em um site na internet, sempre pesquise sobre a empresa e se é de confiança.

Leia também: Imposto de Renda 2021: Receita libera o programa de declaração do IR. Saiba mais!

Aplicativos para se assegurar que o seu CPF está seguro:

  • Serasa 

Primeiramente, o Serasa é um aplicativo de uso gratuito para qualquer cidadão brasileiro que possui um CPF (Cadastros Pessoas Físicas), esse app é usado para fazer consultas de dívidas como: cheques sem registro no cartório/ cheque sem fundo, boletos não pago, ações judiciais como nome em protesto entre outros.

Contudo, o aplicativo tem para Android e IOS. O serviço é gratuito, mas existe a opções de assinatura para alertar você sempre que o seu CPF for consultado por terceiros. No entanto fica a total critério do usuário se prefere assinar ou não a proteção do CPF.

  • Registrato 

O Registrato é um site oficial do Branco Central do Brasil, permite a consulta de dívidas no seu CPF, todas as contas de banco no seu nome (menos as que estão encerradas), faturas do seu cartão de crédito, chaves cadastradas no PIX e muitos outros.

Em suma, para não haver risco de coisas indevidas no seu nome, tome bastante cuidado para quais sites você fornece os seus dados pessoais, principalmente para ‘’sorteios’’ que pedem os seus dados.

Veja também: Nubank libera o Google Pay para clientes pagarem com o celular sem precisar usar o cartão físico. Saiba mais!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*