E-commerces cresceu 16,5% no Brasil em 2023

e-commerces
Imagem ilustrativa – Pesquisa diz que o número de e-commerces em atividade no Brasil cresceu 16,5% em 2023.
Publicidade

De acordo com a décima edição da pesquisa anual realizada pela empresa BigDataCorp, o número de e-commerces em atividade no Brasil cresceu 16,5% em 2023, chegando a 1,9 milhão de sites. O avanço foi impulsionado pela popularização do comércio eletrônico no país, que se tornou ainda mais comum durante a pandemia de COVID-19.

Publicidade

A pesquisa também revelou que a maioria dos e-commerces brasileiros é operada por apenas uma pessoa. Cerca de 60% dos sites são gerenciados por microempreendedores individuais (MEIs), que representam 82% do total de empresas no Brasil.

 

Os segmentos de mercado de e-commerces que mais cresceram Brasil em 2023

O faturamento do e-commerce brasileiro deve atingir R$ 150 bilhões em 2023, um crescimento de 12% em relação ao ano anterior. O setor representa atualmente cerca de 10% do varejo total do país.

– Moda e acessórios (20,5%);

– Eletrônicos e informática (18,5%);

– Beleza e perfumaria (16,5%);

– Saúde e bem-estar (15,5%);

– Alimentos e bebidas (15%).

 

Desafios enfrentados pelos e-commerces brasileiros

Apesar dos desafios, o e-commerce brasileiro tem um grande potencial de crescimento nos próximos anos. O setor deve continuar a se expandir, impulsionado pela popularização da internet e do uso de dispositivos móveis. 

Para superar esses desafios, os e-commerces principalmente os familiares precisam se concentrar em oferecer uma experiência de compra superior aos clientes, com foco em qualidade, atendimento e preço

Os principais desafios enfrentados pelos e-commerces brasileiros são:

– A concorrência crescente, com a entrada de novos players no mercado;

– A necessidade de investir em infraestrutura e logística para atender a demanda;

– A necessidade de investir em marketing e publicidade para se destacar;

– A preocupação com a segurança e a privacidade dos dados dos clientes;

– A dificuldade de escalar o negócio.

Pesquisa da BigDataCorp mapeou e identificou sites no Brasil de e-commerces

A pesquisa “E-commerce no Brasil 2023”, realizada pela empresa BigDataCorp, mapeou mais de 23 milhões de sites brasileiros e identificou a existência de 1,9 milhão de comércios eletrônicos. O levantamento, que é realizado anualmente, traz insights importantes sobre o cenário do e-commerce no Brasil.

 – Crescimento do e-commerces: O número de e-commerces no Brasil cresceu 16,5% em 2023, em comparação com o ano anterior. Esse crescimento foi impulsionado pela popularização do comércio eletrônico no país, que se tornou ainda mais comum durante a pandemia de COVID-19.

 MEIs: A pesquisa também revelou que a maioria dos e-commerces brasileiros é operada por apenas uma pessoa. Cerca de 60% dos sites são gerenciados por microempreendedores individuais (MEIs), que representam 82% do total de empresas no Brasil.

 Faturamento: O faturamento do e-commerce brasileiro deve atingir R$ 150 bilhões em 2023, um crescimento de 12% em relação ao ano anterior. O setor representa atualmente cerca de 10% do varejo total do país.

 Potencial de crescimento: Apesar dos desafios, o e-commerce brasileiro tem um grande potencial de crescimento nos próximos anos. O setor deve continuar a se expandir, impulsionado pela popularização da internet e do uso de dispositivos móveis.

 

Outros insights do levantamento sobre e-commerces no Brasil

O levantamento da BigDataCorp é um importante instrumento para acompanhar o desenvolvimento do e-commerce no Brasil. Os dados apresentados mostram que o setor está em franca expansão e tem um grande potencial de crescimento nos próximos anos.

A pesquisa também revelou outros insights importantes sobre o cenário do e-commerce no Brasil, como:

– A região Sudeste concentra a maior parte dos e-commerces brasileiros, com 62,5% do total.

– O estado de São Paulo é o líder em número de e-commerces, com 32,5% do total.

– A maioria dos e-commerces brasileiros (75%) é voltada para o mercado interno.

– O pagamento via cartão de crédito é o método de pagamento mais utilizado nos e-commerces brasileiros.

 

E-commerces menores cresceram mais

Cerca de 73,5% dos e-commerces brasileiros são familiares, e 86% têm menos de dez funcionários. Quase metade (45,7%) é gerida por apenas uma pessoa

Os e-commerces menores cresceram mais em 2023 do que os e-commerces maiores. De acordo com a pesquisa da BigDataCorp, o número de e-commerces com faturamento anual de até R$ 5 milhões cresceu 25%, enquanto o número de e-commerces com faturamento anual superior a R$ 50 milhões cresceu apenas 5%.

Esse crescimento dos e-commerces menores pode ser explicado por uma série de fatores, incluindo:

– A popularização do comércio eletrônico, que tornou o mercado mais acessível a empreendedores de todos os portes;

– O desenvolvimento de plataformas e soluções tecnológicas que facilitam a criação e a gestão de e-commerces;

– A mudança no comportamento dos consumidores, que estão cada vez mais acostumados a comprar online.

Perfil dos e-commerces brasileiros

O e-commerce brasileiro está em franca expansão e tem um grande potencial de crescimento nos próximos anos. O perfil dos e-commerces brasileiros, dominado por pequenos negócios familiares, é um reflexo dessa expansão.

– A região Sudeste concentra a maior parte dos e-commerces brasileiros, com 62,5% do total.

– O estado de São Paulo é o líder em número de e-commerces, com 32,5% do total.

– A maioria dos e-commerces brasileiros (75%) é voltada para o mercado interno.

– O pagamento via cartão de crédito é o método de pagamento mais utilizado nos e-commerces brasileiros.

 

Marketplaces mantêm relevância para e-commerces

Os marketplaces mantêm relevância no e-commerce brasileiro. De acordo com a pesquisa da BigDataCorp, os marketplaces representaram 70% das vendas online no Brasil em 2023.

Essas plataformas são uma tendência forte no e-commerce brasileiro e devem continuar a crescer nos próximos anos.

Os marketplaces mais populares no Brasil são Amazon, Mercado Livre, Magazine Luiza, Americanas e Shopee.

Os marketplaces oferecem uma série de vantagens para os consumidores, incluindo:

– Maior variedade de produtos e serviços;

– Preços competitivos;

– Facilidade de compra e entrega.

 

Vantagen do Marketplaces para e-commerces 

Essas vantagens contribuem para o sucesso dos marketplaces e explicam sua relevância no e-commerce brasileiro.

Os marketplaces também oferecem vantagens para os vendedores, incluindo:

– Acesso a um público maior;

– Compartilhamento de infraestrutura e logística.

– Menor custo de operação;

 

Desafios dos marketplaces para e-commerces 

Para superar esses desafios, os marketplaces precisam se concentrar em oferecer uma experiência de compra superior aos clientes, com foco em qualidade, atendimento e preço.

– A concorrência crescente, com a entrada de novos players no mercado;

– A necessidade de investir em marketing e publicidade para se destacar;

– A preocupação com a segurança e a privacidade dos dados dos clientes.

 

Mercado em consolidação

Estudo identificou que o mercado de plataformas de construção de sites caminha para uma consolidação. Realizado pela empresa de pesquisa Forrester identificou que o mercado de plataformas de construção de sites caminha para uma consolidação. O estudo, que analisou o cenário global, constatou que o mercado está cada vez mais concentrado em poucas empresas, com as principais players conquistando cada vez mais participação.

Essas empresas representam cerca de 75% do mercado global de plataformas de construção de sites. O estudo prevê que essa concentração deve continuar a crescer nos próximos anos, com as principais players adquirindo ou se fundindo com empresas menores.

O estudo identificou que as principais empresas do mercado são: Wix, Squarespace, Shopify, WordPress e Magento.

 

Fatores que contribuem para consolidação

A consolidação do mercado de plataformas de construção de sites pode ter um impacto significativo no setor. As principais players terão mais poder de mercado e poderão oferecer preços mais competitivos. Além disso, elas poderão investir mais em inovação e desenvolvimento de novas funcionalidades, o que pode beneficiar os usuários.

No entanto, a consolidação também pode reduzir a concorrência e a inovação no setor. As principais players podem se tornar complacentes e deixar de oferecer novas funcionalidades ou melhorias. Além disso, elas podem aumentar os preços ou dificultar a mudança de plataforma para as empresas que já utilizam uma plataforma menor.

Ainda é cedo para dizer como a consolidação do mercado de plataformas de construção de sites impactará o setor. No entanto, é importante que as empresas que utilizam essas plataformas estejam cientes das mudanças que podem ocorrer.

– A crescente demanda por plataformas de construção de sites, impulsionada pela popularização do comércio eletrônico e da presença online das empresas;

– O aumento dos custos de desenvolvimento e manutenção de um site, que tornam as plataformas de construção de sites uma opção mais acessível para pequenas e médias empresas;

– A facilidade de uso e a flexibilidade das plataformas de construção de sites, que permitem que as empresas criem sites profissionais sem a necessidade de conhecimentos técnicos.

Saiba mais

Pequenas e médias empresas de e-commerce faturam R$ 301 mi em outubro

Como a Inteligência artificial atinge as empresas no e-commerce? Descubra!

Marketplace, E-commerce ou Vitrine Virtual? Saiba mais!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*